7 alimentos que não são tão saudáveis quanto você pensa


O estilo de vida das pessoas tem passado por grandes transformações nos últimos anos no que diz respeito aos hábitos saudáveis. Houve uma grande conscientização sobre alimentação saudável, fazendo com que as pessoas a deixassem de consumir certos alimentos e passassem a consumir outros.

Não podemos negar que toda essa mudança alertou sobre os perigos que vários alimentos oferecem, especialmente os industrializados. Mas, ao mesmo tempo, camuflou detalhes sobre algumas comidas consideradas saudáveis, mostrando um lado bom e escondendo um lado ruim. Quer ver alguns exemplos? Vamos explicar:

1 – Sucos naturais
Como podem os sucos naturais não serem saudáveis? Bem, quando são feitos apenas com a fruta e água, ou só a fruta, eles são saudáveis. Oferecem praticamente os mesmos nutrientes que uma fruta inteira.

A diferença é que no processo de transformar a fruta inteira em suco, muitas fibras do alimento acabam se perdendo, deixando o suco com um alto teor de açúcar, quase tanto quanto uma lata de refrigerante, dependendo da fruta e da quantidade.

As fibras auxiliam no processo de digestão e na correta absorção do açúcar, mas sem elas, o açúcar acaba ficando acumulado e se transforma em calorias a mais e em excesso no sangue.

2 – Granola
A granola foi um dos ingredientes que mais se popularizou com as novas dietas de reeducação alimentar. De fato, ela possui seus benefícios, como fibras e minerais, conforme os ingredientes que contém. Mas o que poucos consideram é que a granola também contém muito açúcar, apesar da aparência saudável.

Se o seu nutricionista indicar, tudo bem. Mas, provavelmente, ele dirá que este ingrediente deve ser consumido em uma quantidade específica e em um momento do dia adequado para que você possa usufruir dos benefícios e gastar as calorias que ele traz.

3 – Alimentos sem gordura
Quando fala-se em alimentos com gordura, é preciso lembrar que existem as gorduras maléficas e as benéficas para o organismo. Inclusive, as benéficas são necessárias para a manutenção da saúde, por isso, você não pode simplesmente excluir toda a gordura da sua alimentação acreditando que irá emagrecer de forma saudável.

Alimentos como peixes gordos, abacate, castanhas, nozes, azeite de oliva, ovos, linhaça, azeitonas e sementes de girassol são exemplos que fornecem gorduras benéficas, as chamadas gorduras insaturadas.


4 – Leite de amêndoas
O leite de amêndoas e de outras fontes vegetais tem suas controvérsias. Grande parte das vitaminas contidas nestes alimentos são colocadas de forma artificial e eles possuem menos proteínas do que o leite de origem animal.

Os leites vegetais devem ser consumidos com moderação, dentro de uma dieta equilibrada, e o ideal é que você só consuma de houver necessidade, como no caso de pessoas veganas ou que possuem intolerância à lactose.

5 – Alimentos sem glúten
A única coisa que os alimentos sem glúten não possuem é o glúten. Mas. em compensação, possuem maior teor de açúcares e gorduras. Portanto, se você não foi diagnosticado como celíaco, não há razão para excluir o glúten da sua alimentação.

Inclusive, há um estudo recente realizado na Noruega e na Austrália, que relata que o glúten não é o verdadeiro vilão para os celíacos, mas sim, uma outra substância chamada frutano que está presente nos mesmos alimentos que contêm glúten. Sendo assim, talvez estejamos prestes a ver uma mudança nos hábitos alimentares do celíacos e uma nova razão para os sintomas da doença.

6 – Xarope de agave
Este é um dos mais populares substitutos do açúcar nas dietas atuais. O agave é uma planta mexicana da qual é extraído o néctar para ser transformado na substância que é utilizada como adoçante.

O fato é que para produzir o néctar, ou xarope de agave, é feito um processo de refinamento que exclui a maior parte dos nutrientes da planta, tal qual acontece com o açúcar refinado tradicional. Portanto, acaba sendo um engano acreditar que é uma opção saudável.

7 – Óleo de coco
Outro queridinho das dietas é o óleo de coco, muito indicado para substituir o azeite ou o óleo de milho. Porém, segundo informações da American Health Association, o óleo de coco possui uma quantidade elevada de gordura saturada, que é a gordura que faz mal ao organismo. Inclusive, em uma quantidade muito maior do que contém no azeite.

Depois dessas informações, fica o alerta: não se deixe enganar pelos modismos. Converse com seu nutricionista e siga uma dieta equilibrada, com alimentos que satisfaçam as necessidades do seu organismo.